sábado, 30 de julho de 2011

Branco

As coisas parecem ter perdido as cores
Fico sem querer mais nada da vida
Não consigo estudar
Não consigo pensar

Tudo tem a cor do branco
Que é a soma de todas as cores
Mas que juntas parecem vazio
Que nada me chama

Eu fico esperando algo que não sei o que é
Que nome não tem
Que é tão cheio
Mas não consegue transbordar

Queria que pelo menos fosse cinza
Que tivesse o prazer de um dia chuvoso
Mas nem isso é
É como um silêncio que grita

E hoje me perguntam se estou feliz
Eu nem sei o que é isso
Nem sei se ainda sinto
Nem sei por que persisto

Hoje eu queria ser pelo menos cinza
Porque cor eu teria
Mas hoje sou branco gelo
E sinto o mesmo frio que o nome da cor

E se você tivesse por aqui
Será que seria diferente?
Será que seu sorriso carregaria a cor?
Eu sinto que sua tempestade me seria melhor

Até quando vou ficar assim?
Quando outra tempestade balançará meu barco?
Quando outro sorriso me tirará do chão?
Volte pra fazer feliz meu coração

Enquanto isso oscilo entre serenidade e dor
Entre medo e pavor
Entre um talvez e um nunca mais
Então fique por favor e me devolva a cor.

Cíntia Maria

2 comentários:

  1. O cinza,o branco,o sereno e o brando são levados num mesmo ritmo e nos levam a uma mesma canção:o silêncio,que grita a alma.

    Gostei. =D

    ResponderExcluir
  2. ^^ minha amiga Moh! minha inpiração, você despertou essa vontade de escrever. ♥
    Obrigada!

    ResponderExcluir

Nem mesmo os clássicos poetas          poderiam narrar as madrugadas em que feliz       me abraço ao abraço dela   E agradeço a Deus ...