terça-feira, 21 de maio de 2013


Eu que já achava que tinha tudo
Não sabia que faltava te conhecer
Garota semelhante ao que o Tom tinha prazer em ver passar
Não é de Ipanema
Mas é cheia de graça
Tem leveza na forma como caminha
Digna de um pé 36
O seu santo bateu com o meu
Tá difícil de negar
Quero me perder em seus cachinhos
E como o Caetano ter histórias pra contar de um mundo tão bonito
O sol te espera pra poder nascer
E quando chegas, traz o sorriso no olhar
Seu encanto me laçou
Já tá difícil de negar
Pequena e leve
Firme...
Sei que quando cruzas meu caminho, esqueço minha rota
Tá muito difícil de negar...
Os amigos já notam
Tu me enchendo de carinho
Vou seguindo o conselho do Lulu
‘é melhor não resistir e se entregar’
Que dure um minuto
Um dia, ou uma vida
Quero te ver passar ‘moça do corpo dourado’.
Encanto meu.

Cíntia Maria
Um poema pra mim

Paixão
Tentei escrever sobre esse sentimento
Pensando nas vezes que não o tive
Como ele aparece
e por quê?
Nos últimos dias desejei ter paixão
Acho que muita gente tem desejado
Nesse mundo onde tudo parece um acerto de contas
Eu senti falta de me apaixonar
Do não programável
Do que não tem prazo pro fim. 
Ao conversar com uma amiga enquanto tomávamos banho na lagoa
Pensamos no que temos
E como o virtual têm nos destruído
O sol estava se pondo
A gente tinha perdido espetáculos como esses, presas em um livro 
ou numa tela de um computador.
Quis voltar a ter paixão pelas coisas
Passar dias sem pensar em nada
Fazer passeios de barco
Nadar
Remar
Sonhar como antes
Olhei o sorriso de um homem experiente que me contava coisas da vida
De amores passados
De planos futuros
E filosofei aquele velho clichê que ele me disse enquanto dançávamos
‘tudo tem seu tempo certo’
Sinto meu tempo chegou
Tempo de voltar a viver
O silêncio sussurrou uma frase do Belchior ao meu ouvido
“Cíntia, o tempo, andou mexendo com a gente sim.”
Mexeu, passou e eu cresci
Muitas coisas mudaram
A vida andou me batendo ferozmente
Caí... 
Mas tive forças pra levantar
A temporada das flores chegou
E até senti vontade de chorar
Mas dessa vez foi de alegria
Eu me apaixonei outra vez.
Por tudo que eu já tinha
E tudo que ainda posso ter
Paixão! Há quanto tempo não sentia o seu sabor.

Cíntia Maria

Nem mesmo os clássicos poetas          poderiam narrar as madrugadas em que feliz       me abraço ao abraço dela   E agradeço a Deus ...