quarta-feira, 27 de junho de 2012


Flor!


Disse-me minha mãe

que me apelidou de flor

Porque desde cedo eu me perdia

                        nos jardins

a conversar com as plantas.

Diziam que eu era um poço de emoções

            e ainda o dizem.

Eu que sempre achei que fosse um defeito

Hoje sou considerada uma alma sensível

                        por muitos.

Por outros uma criatura angustiada

e há ainda quem acredite que sei fazer poemas.

E o velho Bukowski se me conhecesse diria que sou apenas

mais uma criatura atordoada pelo amor.

Cíntia Maria 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

A mulher que espera

Há impaciência em todos os seus gestos Ela caminha Pede um café Procura meus olhos,        enquanto encaro o teto pensando que nunca ser...