sábado, 29 de janeiro de 2011

Romarizando 


Firmes atitudes
Olhos singelos
Cheia de virtudes
Bem eu te quero


Sempre te ver feliz
Contigo hei de estar
Significando o que diz
E sempre te adorar


Singela amiga
Encanto meu
És minha querida
O que é doce é teu


Felicidades te desejo
Sabendo que já alcanças
E te carrega um anjo
Sempre na lembrança.


Cíntia Maria
*Feliz aniversário minha linda!
Adoro você!
Ilusão!

Aquela voz que eu adorava: 
Hoje me soa tão falsa.
Aquele sorriso que me iluminava:
hoje não prende nem minha atenção.
Aquele cheiro que me fazia tremer:
O meu nariz não mais o suporta.
Tudo em você parece uma montagem
Uma tentativa falha de sedução
É como você gritasse
Mas meus ouvidos não querem ouvir-te
Semelhante a Cinderela
Deu meia noite na minha vida e você precisa fugir
A minha princesa virou bruxa do mal
Tenho apenas flores mortas a te oferecer.


Cíntia Maria
Anjo meu

Meu sentimento mais puro entreguei a um anjo
Leveza e encanto 
Meu puro recanto
De olhos brilhantes
Iguais a diamantes
Vejo-te passar e meu coração começa a se alegrar
Peço-te que fiques sei ti não sei estar
Doce como um abraço
Simples como um riacho
Vejo-te dormir e consigo sentir
Que um pedaço do céu
Veio me colorir.

 Cíntia Maria

quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

Eu não quero mais!

Que me olhes com amor;
Que me desejes;
Que digas que me ama;
Que se dirija a mim com nobres adjetivos;
Que me ligues;
Que me acolhas;
Que sonhes comigo;
Que acredites no que escrevi acima.

Cíntia Maria
Aonde!



O dia a esmagou depois que o viu partir
Teve que enfim ficar consigo mesma e encarar a solidão
É! Ele foi embora...
Houve uma breve pontada de culpa que a perseguiu
Parou em frente a uma rua que a levava a lugar nenhum
Ficou assustada, pois, começou a sentir um profundo buraco em seu peito
Suas pernas e seu coração tremiam
Ela não sabia aonde ir
Então caminhou pela mesma rua sem sentido e chegou até um penhasco
E se atirou...
Pois não tinha mais motivos para viver.
Que sentido teria ir adiante?


Cíntia Maria

sábado, 22 de janeiro de 2011

É como se em mim morasse uma tristeza,  que ressurge toda vez que lembro que você existe.


Cíntia Maria

quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

Eternamente Bela!

Diante dela eu perdi as palavras
Eram tantas coisas que eu queria dizer
Apenas que ela ainda estava ali num lugar de eterno afeto dentro de mim
Que sentia falta dos seus cuidados
Do seu amor
E na hora não saia nada
Como ela reagiria?
Eu havia pisado seu coração
Nada que eu dissesse teria sentido
Nem que eu me fizesse de tapete pra ela pisar
Eu só queria poder dizer que ainda a amo
Que ela fez toda diferença em minha vida
E que os erros nos ajudam a crescer
Mas... Não! Eu não tenho esse direito...
Cíntia Maria

terça-feira, 18 de janeiro de 2011

Livre!

À noite com você eu sonhava
Nos seus pensamentos eu não fazia morada
Então eu me perdia na imensidão de mim
Na confusão dos meus cálculos errados
Na dor de te ver passar
No desespero de sentir seu cheiro
No medo de não mais te ver
Na ânsia de te querer
E teu desprezo era como água fria jogada em um vulcão
Teria eu alguma solução?
Poderia eu viver mesmo assim a te amar?
Mas eu queria dar algo mais a mim, algo que não estava em você
A pureza de um coração livre
Então eu deixei você partir de dentro de mim
E o buraco ficou e junto com ele a dor
Pois a pior coisa que pode acontecer a alguém é a indiferença de um ser amado
Então fui embora, voei para onde os gritos não são ouvidos
Onde o medo não tem voz
E não fiquei em baixos dos lençóis
Gritei!
E só eu me ouvia.
A cada palavra ecoada um pedaço de você se afastava
Você ficou em mim, onde o sol não mais brilhará.

Cíntia Maria

Vida ?

Hoje eu sinto como se me faltasse um pedaço
Você sumiu do meu mundo. E esqueceu-se de me avisar
Foi pra onde a minha visão não te alcança,
E me restou apenas um nobre espaço vazio.
Nada tem sentido, nada tem brilho!
Resta-me uma noite escura sem luar
Um dia frio...
E em vão eu te procuro por aí
Sabendo que o único lugar onde você esta agora é dentro de mim
Você não quer me ver
Que dor é conviver com a verdade
Então eu invento um mundo onde você é meu
Onde você me ama, e planejamos um futuro que só existe em meus sonhos
Inconscientemente eu grito por você
Eu não largo a tua mão. Mas você clama por ir
Então eu fico só, eu choro,  sofro e imploro
Mas nada te comove, você já arranhou meu coração e o jogou ao relento
Resta-me seguir a passos lentos, por uma escuridão sem fim
Esperando que um dia um olhar tão penetrante como o seu invada minha vida
E um beijo tão intenso me preencha de sentido
E um lindo sorriso volte a me iluminar.
Cíntia Maria

sexta-feira, 7 de janeiro de 2011

Quem?

Escuto sua alma chorar todas as noites,
Atrás dessa pose de dona do mundo e conquistadora de corações, esconde-se uma mulher sozinha.
Quem te escuta agora?
Quem consola teus pensamentos?
Quem te espera voltar?
Certamente não sou,
E por que haveria de ser?
Podes obrigar as estrelas a girarem em torno de ti?
Desperdiçaste os que um dia te amaram,
E hoje:
Quem te deseja?
Quem te ama?
É meu bem volte pra o esgoto,
Nem o rebanho te espera mais.





Cíntia Maria
Abismo!


Nietzsche disse: - não olhe muito tempo para o abismo, pois ele acaba olhando de volta pra você. Completamente certo!
Não quero mais te olhar abismo meu!
-Abismo?! Tchau pra você. A luz me chama...



Cíntia Maria

terça-feira, 4 de janeiro de 2011

Doce menina

Quando te vejo meu coração dilata-se de alegria
Meus pensamentos assim como os meus olhos ardem de prazer ao sentir sua presença
Quando estás distantes de mim, fico taciturno e tudo perde a cor
Eu estou aqui pródigo a te amar
Escolhe-me doce menina.
Cíntia Maria
Minha tempestade particular!

Num esforço hercúleo eu tento me afastar de você
Indago-me o porquê de falhar sempre
Permaneço como uma flor que se abate frente à tempestade
Meu desejo instintivo de libertação me conduz a tentar fugir
Atemorizada e insegura não sei aonde ir...
Qual pássaro aprisionado na gaiola, aguardo o dia em que não mais te amarei
E pra outros campos partirei...

Cíntia Maria

Com o esteto no pescoço   saindo do plantão Ela lê meus poemas Não estão na televisão     nem no rádio Não sou grande poeta Nem mesmo ...