domingo, 12 de julho de 2015

Não há luz

Meu celular super moderno não possui mais bateria
Não uso mais rádio de pilha
Nem tenho disponibilidade para conversar pessoalmente
Mal consigo enxergar minha gata branca
 pedindo afeto na escuridão
A vela brilha sozinha obrigando a me concentrar somente nela
Não lembro a última vez que me fixei em algo só
Havia gente que estudava em noites sem luz,
                               mas possuía pensamentos iluminados
Não muito longe meus pais viveram sem eletricidade
                Reunidos na porta,
                               contavam histórias
admiravam a lua,
 tinham medo de lendas
apreciavam o diálogo e ouviam os idosos.
Hoje aprecio o meu notebook, meu iPad, meus jogos
Não que eles sejam ruins
Mas o que eles me roubaram que sem eles fico perdida?
Vivo com presentes que são distantes
Perdi o brilho dos olhos
                o som do violão na porta de casa
o sorriso barulhento das crianças
Troquei o cinema por um filme online
Temos tudo a um clique
                e permanecemos intocáveis
sozinhos...
Não há luz...
Nem elétrica, nem a que inspira versos
Não há cheiro
E todo o colorido é incolor
Não há cheiro de pipoca na praça
                Nem no cangote da moça
E penso no colorido dos ícones do meu celular
Que se ofuscam pelo brilho da vela
O que eles me roubaram?
Continuo a me perguntar
Onde estão as pessoas que são Poesia?
Só vejo as que se escondem na virtualidade fingindo coragem
Brigas em torno do desconhecido novo ídolo da tv
Não existem braços para me apertar
As salas de bate papo existem e ninguém se conhece
 O sarau já não existe mais
Não há luz e sou obrigada a pensar
O que a eles me roubaram?
Levanto-me e sento ao lado dos meus pais na porta
Eles me contam com saudade os tempos vividos
Apontam com o queixo a escuridão,
                mas há neles um brilho...
A chuva cai mansinha
reclamamos dos mosquitos
sinto falta de um tempo que não era meu
Vejo um jovem rapaz que me corteja tirando o chapéu,
                me recita um belo poema enquanto aceno da janela
... o poste se acende e me arranca os pensamentos
Caminho para escuridão da luz.

[Cíntia Maria]

Nenhum comentário:

Postar um comentário

A mulher que espera

Há impaciência em todos os seus gestos Ela caminha Pede um café Procura meus olhos,        enquanto encaro o teto pensando que nunca ser...