segunda-feira, 22 de dezembro de 2014

A moça parada na praça

A moça parada na praça pensa na vida
                               cansada
Apena existe
Carrega pesos,
Ilusões e uma marmita fria
Chora o salário que ainda não chegou
E sente-se só em multidões

A moça parada na praça pensa nos filhos
Os que nasceram e os que estão por vir
Calcula o tempo, o espaço, o amor,
a inflação, a gasolina
o que gastou
O que tem
       e o que gostaria de ter...

A moça parada na praça é triste
Não escuta os pássaros,
não sente o balançar das árvores
Em festas alegras é
Silenciosa,
Mas carrega no peito um carnaval


A moça parada na praça divide comigo um sorriso
É colorida,
mas vive a vida em preto e branco
há marcas em seu corpo, há dor em seus olhos
o sol lhe levou alguns anos
seu intervalo já acabou,
mas na vida e na praça a moça permanece parada.


Cíntia Maria

A mulher que espera

Há impaciência em todos os seus gestos Ela caminha Pede um café Procura meus olhos,        enquanto encaro o teto pensando que nunca ser...