segunda-feira, 30 de junho de 2014

Destino

Talvez seja coisa do destino
E assim como Édipo do meu não fugi
Só que em vez da tragicidade da vida
Encontro no meu a paz,
Encanto,
               graça
e sorrisos.
Como um cego que desperta ao ver a luz
Desperto para o amor
Com a certeza de que tudo me é inédito.
Nessa nova vida
Andei colhendo flores,
Traçando planos,
fazendo elos,
rindo de mim
e tendo brilho nos olhos.
Me permiti ser frágil,
Chorar,
Cuidar,
Recomeçar todos os dias.
Tive coragem para ficar
e descobri que o melhor lugar do mundo não se trata de um lugar.
Andei tendo lições sobre respeito,
Afetos,
Encantamentos.
Acordei mais cedo pra te ver dormir
Chorei em despedidas que não se deram
E me questionei como o mundo pode ser uma pessoa?
Eu não sei responder
Porque quando te olho me somem as palavras
Ficam apenas os desejos
O tempo perdeu a cronologia
Há um sentimento de eternidade plantado em meu peito
Passei a ser mais leve
Menos radical
Fiz um acordo com a sensatez
Agradeço as curvas do caminho
que me trouxeram você
O certo é que a gente se encontraria
Não há nada que eu queria da vida
que seja diferente de morar em seu abraço 
O mundo está completo
e o caos reorganizado
Sigo com calma
e um semblante sereno.


Cíntia Maria

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Com o esteto no pescoço   saindo do plantão Ela lê meus poemas Não estão na televisão     nem no rádio Não sou grande poeta Nem mesmo ...