segunda-feira, 10 de junho de 2013

Barco
Uma casinha branca
Viajar para a Cidade Luz
Jóias
Fama
Glória.
Muitos são os sonhos das pessoas
O meu era simplesmente Ela
Sei que os amigos ignoravam meu sonho
Um sonho de um metro e cinquenta e oito
Com o sorriso mais bobo que um ser humano pode ter
Meu sonho era lindo
E me desnorteou
E depois d’Ela ninguém me reconhecia mais
E eu tinha que escutar que o meu fim seria igual ao do jovem triste de Goethe
Aquele tal de Werther
Eu não terminei como o jovem
estourando os miolos numa madrugada
                                               só.
Mas nunca mais tinha tido sonhos tão bonitos
Os anos estavam passando
E tantas d’Elas cruzando meu caminho
Mas eu nunca mais tinha tido aquele sonho bonito
Amanhã eu poderia ter tantos outros sonhos
Tantas coisas jamais esperadas
E comecei a ter
O meu sonho antigo virou também sonho de outras pessoas
E de gente com bem mais sorte que eu
A gente cresce e os sonhos mudam
E depois não se sabe mais o que fazer com aqueles que um dia a gente sonhou
A gente nem sabe falar quando se encontra
E fica desejando que duas pessoas no mundo tenham a mesma voz
O mesmo cheiro
Ou o mesmo sorriso
Mas nunca tem
Nada na vida se repete
Como disse o poeta
‘a primeira vez é sempre a última chance’
Então é preciso sonhar um sonho novo
Mesmo que a gente não saiba o que sonhar
A vida nos obriga
E a gente caminha
caminha
caminha...
Também se perde
e continua a jornada
Tenho caminhado
e sonhado com coisas ainda mais bonitas.


[Cíntia Maria ]

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Com o esteto no pescoço   saindo do plantão Ela lê meus poemas Não estão na televisão     nem no rádio Não sou grande poeta Nem mesmo ...