segunda-feira, 28 de maio de 2012



M.

Alto, charmoso e inteligente
Isso me bastou para que eu fixasse o olhar nele
Ousado e divertido
Rapidamente me sinto a vontade em sua presença
Mas esse carinha já estava marcado por uma colega minha
E hoje estou saindo com outros objetivos
Olho pra ele e tento não encará-lo
Quando noto que ele faz o mesmo
Ao seu lado está sentando o homem que eu digo que desejei pra mim
Que prometeu ser meu
Mas o carinha ousado me pega pra dançar
Cola seu corpo ao meu
Eu quero beijá-lo ele também quer
Por que o corpo fala por nós?
Por que perder uma certeza por uma aventura?
Mesmo assim continuo querendo
E o álcool já me impede de pensar
Minha colega que parecia querê-lo um dia antes
Nem o nota mais
Ainda pensa num passado recente
Eu ainda olho pra ele
E já sem conter os desejos fúteis de uma noite de festa
Ele me segura firme o  rosto e me beija
Gelo e esquento ao mesmo tempo
E quero sumir
Já é tarde o mal está feito
A ressaca será moral
Mas parece que minha colega resolve me salvar
Agarra-se a ele e o beija como eu gostaria
Não sinto raiva de nenhum dos dois
Fico feliz em vê-los
Mas ainda o desejo ao longe
Como vingança o homem que prometeu ser meu já está nos braços de outra
Ele nos viu
Notou nosso desejo
Que poderei fazer se a carne falou mais alto?
Minha colega continua a beijá-lo
E nos intervalos dançamos livres e leves
E com os desejos guardados no bolso
Ele parece bem com ela
E agora eu me arrependo
Não do beijo
Apenas de não tê-lo feito escondido
O desejo se despediu quando o dia amanheceu
Volto para casa
Com lágrimas nos olhos
Perdi os dois
Não quero mais nenhum
Enquanto isso oscilo entre vítima e algoz
E confesso querer amizade do carinha ousado e sorridente
No dia seguinte já falo com ele sobre coisas banais
Quando irei vê-lo não sei
Fico sabendo dos  seus planos futuro
E será muito bom que encha a vida da minha colega de sol
E que arranque o sorriso que ela tanto precisa voltar a ter
Quando o peso da razão pesou sobre mim
Desejo apagar aquele dia
Minha colega confessa não querê-lo
Mas será difícil escapar de um advogado do diabo
Quem é ele?
Por que me despertou tantas loucuras?
Por hora deixe estar
Vamos seguindo que a vida pede passagem
Tudo é uma escolha e eu sempre faço a mais idiota.
Perdi um sentimento que levei meses para conquistar
Por causa de um sorriso bobo
Não sei quão errada fui
Não sei porque não pude controlar
Quando a bebida é muita
O superego não funciona
E somos como crianças levadas pela música
E no dia seguinte a responsabilidade nos chama
Nos culpa
E sentimos a dor maior do que ferir
É ferir os sentimentos dos outros
Esperarei aquele que eu conquistei voltar
Mas se ele não voltar
Tenho muitos na vida ainda pra conquistar
E o conquistador ousado vou deixando passar
Que ele ao menos sirva de um passeio para minha colega
Que parece não querer se apaixonar.
Cíntia Maria


Há tantas coisas a serem ditas
Que não tem sentido
Sentimentos que se comprometem por atos
Um desejo absurdo de não ser o que se é.
O que dizer de um erro de mão dupla?
Voltar no tempo não é possível querido meu
Você não quer falar
Você quer fugir
Como um menino que com medo de ser visto
Esconde-se atrás de um caminhão.
Seus desejos desconheço
Perder você não será o meu fim.
Eu aqui penso em você
Não mais como um barco que eu havia prendido ao cais
Mas como um carro dirigido por um bêbado
Vou esperar a chuva passar
Deitada aqui na rede
Lendo o Pessoa com lágrimas nos olhos
Não de amor, nem de saudade
Apenas de arrependimento
Mas já sem dor. 


Cíntia Maria

sexta-feira, 11 de maio de 2012

Quem a ver sorrindo assim não desconfia
A tempestade íntima que lhe acompanha
Nos dias, nas horas do rosto sóbrio
Vive a tácita luta ausente dos errantes.
Desejo louco de ir sempre adiante
Pra frente, sem rumo, sem meta, sem ver,
Pra frente, sem enxergar o tão distante.
Viver de cada pedaço alcançado,
Deixada de lado a suada aflição.
Ler os seus versos escritos nas noites,
Deixa os autores largados no chão,
Mede distancia a medir o seu tempo
Intimamente uma ausência a ofusca
Reprovando cada passo desequilibrado
E de poeta em poeta vai colecionando angústias.



Wagner Oliveira
Para mim.

Ela é o amor personificado em gestos          afagos e carícias  e enquanto ela dorme o cd da Mallu toca na tv  Tempero com amor o seu j...