segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

Distância

Entre a casa dele e a minha são 4h
Separados pela distância
E mais ainda pelas ideias.
Porém o amor sempre nos coloca em armadilhas
E assim fui tão longe esbarrar nele
Quem diria que eu me encantaria por um jovem de uma pequena cidade
Com planos pra uma revolução.
Enquanto eu espero a hora passar jogando no celular
Como momento de distração.
Nesse mesmo instante ele quer derrubar o poder
E eu nem quero saber sobre o amor
Quero é curtir nas festas
E fazer loucuras.
Julguei que com ele ficaria uma vez
Num momento que considerei como embriaguez
Porém no outro dia eu já estava lá
Com ele a nadar
Para lá e para cá
Com medo das ex...
Dele não desgrudei
E assim os dias foram passando
E por ele fui sendo cativada
E já pensava que sentiria falta no dia de voltar
Um medo apertou meu peito
Será que eu já estava envolvida?
Será que suportaria a partida?
Desejei que aquela viagem não tivesse fim
Mas tive que lhe dizer adeus.
Agora estou aqui na cidade grande
Pensando no jovem revolucionário
Que tanto me deu carinho
Valor e atenção
Que tem um mundo diferente do meu
Mas de qualquer forma penso que daria certo
Penso que poderíamos tentar
E olhe que a culpa nem é da distância
É só do medo de amar.
Mas nego para todos que isso seja verdade
Digo que foi aventura ou coisas da idade
Mas quando vou dormir ainda o tenho em minha lembrança.
Vou tentar esquecer e me nego a dar o braço a torcer
Que ele fique de lá e eu fico daqui
Separados por um medo
Aquele medo de amar
Que não faz ninguém feliz.

Cíntia Maria

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Com o esteto no pescoço   saindo do plantão Ela lê meus poemas Não estão na televisão     nem no rádio Não sou grande poeta Nem mesmo ...