sábado, 3 de dezembro de 2011

Desejo reprimido


Ignorar um desejo ou uma forma de viver melhor em sociedade?
Abrir mão de um desejo é uma forma de infelicidade
Ou fazer isso pra não suportar a realidade?
Hoje é o dia do meu casamento,
E tanta coisa estou negando.
Porém, é o dia que todos meus familiares exalam de felicidade.
Se eles soubessem o que passam em meu coração,
Eu ainda ia sofrer alguma repreensão?
Hoje é o dia do meu casamento,
E ninguém desconfia da minha infelicidade.
Todos estão felizes,
Vou ter uma família comum,
Vou dar netos a minha mãe,
E ninguém de mim vai suspeitar.
Hoje talvez seja realmente uma forma de felicidade,
Fazer feliz os meus,
Mas minhas lágrimas que descem agora ninguém duvida que é de realização.
Deixo que pensem... quero mexer nisso não,
Deixa as lágrimas correrem
Deixa o barco girar
O que tiver der ser será.
Dizem que quando a gente pensa a gente muda,
E hoje quero pensar não,
Meu pai está tão feliz...
E eu?
Hoje vou pensar não,
É o dia do meu casamento,
Deixe isso pra lá e vamos cortar o bolo,
Ah Moço hoje é o meu casamento,
E lá o céu está um azul tão bonito,
Tem banda e tem tanta gente,
Eu quero brincar de iludir uma mulher.
Até quando vou suportar?
Deixemos pra lá Moço já te disse hoje é meu casamento...
Tive que escolher esta mulher, ninguém ia querer que eu ficasse com aquele rapaz...
Posso não Seu Moço,
Tenho coragem não de viver minha vontade,
Hoje está tudo tão bonito,
E todo mundo me espera pra cortar o bolo...
É dia de alegria pra eles,
É o meu casamento...
Fiz uma escolha e ignorei aquela outra, aquela proibida sabe?
Hoje tem choro de alegria,
Eu vou cantar e vou celebrar com ela, pois, ela me ama tanto,
Ela me entregou todo o seu encanto.
Vou embora Seu Moço
Todo mundo ainda me espera pra comemorar meu casamento.
Que Deus me perdoe pelos pecados que eu já cometi
Pelas traições e tentações dessa vida
Agora começo uma nova vida a partir do dia do meu casamento...
Se vou resistir? A isso eu não sei...

Cíntia Maria

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Com o esteto no pescoço   saindo do plantão Ela lê meus poemas Não estão na televisão     nem no rádio Não sou grande poeta Nem mesmo ...