segunda-feira, 21 de novembro de 2011

Bobo!



Quando fecho os olhos
lembro dos olhos dele
olhando os meus,
tão firme e tão forte.
Porém, ele sempre inventa
de falar em Deus.


Bem que ele podia
ser apenas meu?
Não! Eu não ia suportar
é muito gás,
muita energia
eu não ia aguentar.


Ele cruzou meu caminho
me trazendo satisfação
as vezes penso:
Será que arrumei
mais uma preocupação?


Ele é tão bobo,
tão doce
tímido
e singelo.
Vive me fazendo perguntas,
aparentemente tão simples.


Fico horas com ele a conversar
Nem vejo que o tempo voa
Nem é paixão,
nem amor
nem um desejo tão forte assim
Mas gosto dele perto de mim.


Gosto da companhia
gosto da amizade
gosto mais da voz
porque é raridade
adoro os braços e o peito acolhedor
espero que ele não deixe saudades quando se for.

Cíntia Maria

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Com o esteto no pescoço   saindo do plantão Ela lê meus poemas Não estão na televisão     nem no rádio Não sou grande poeta Nem mesmo ...