sexta-feira, 5 de agosto de 2011

Telefone


Então eu tenho que desligar?
Mas você já vai desligar o telefone? Por quê? A sua namorada na outra linha?
― Não. Como é que você está?
― Ah então você ligou pra saber como eu estou? Então deixa eu te dizer: estou aqui com o coração na mão, se bem que nem dá mais pra chamar isso de coração, então vamos chamar de trapos, ou de pedacinhos de dor, sei lá, chame como quiser, era essa coisa que batia mais forte quando via você, quando você sorria pra mim, ah quando você sorria, chego a sentir novamente como se eu tivesse subindo ao céu, sim esse resto de coração é o que sobrou quando você o jogou no chão...
― Espera...
Ah eu queria saber; cadê aquele amor que você dizia sentir? Cadê aquele sonho que era nosso? Você sabe me dizer o que fez com ele?
­― Eu não quero falar sobre isso agora. Você arrumou um outro amor? Ainda pensa em mim?
Ah não quer falar sobre isso agora...  mas, quer saber se eu arrumei um outro amor, se mesmo com ele eu ainda penso em você? Melhor falarmos em outra coisa, não quero mais falar em dor.  Agora está ficando difícil pra respirar, parece que toda hora escuto a sua voz mais doce, aquela que eu mais amei na vida.
― Você não pode estar falando a verdade!
Queria poder dizer a você que estou mentindo que tudo isso é uma brincadeira, mas você sabe que eu não. Tenho a sensação que você nunca partiu, sei lá, ou de que você está voltando, ou que agora veio pra ficar.
― Eu tenho que desligar.
É melhor você desligar mesmo que eu vou ali estancar esse sangue que corre pelo meu peito, talvez com o meu novo amor, ah se eu não encontrá-lo certamente será com uma garrafa de álcool ou alguma dose se esquecimento...
― Liguei por que senti saudades e ainda me preocupo com você.
Ah então você sentiu saudades... sei... você ainda se preocupa comigo, você não crê que ainda dói? Certo, certo... Olha eu já não consigo respirar, vou ali em busca de oxigênio...
― Será que eu posso te ajudar?
― Não você não pode me ajudar, porque você não vai ficar aqui quando a chuva cair... e não pense que alguém culpará você quando eu tiver uma overdose, não me ligue mais por pena...
― ... não foi por pena... foi por carinho.
― Ah carinho sei...  olha agora eu que realmente eu vou desligar, porque além do sangue , falta ar mais uma vez e as minhas pernas já sentem-se fracas.
― Eu volto a te ligar.
― Quem sabe da próxima vez que você ligar seja porque você resolver voltar e ficar pra sempre.

Tum... tum.. tum...

Cíntia Maria

Nenhum comentário:

Postar um comentário

A mulher que espera

Há impaciência em todos os seus gestos Ela caminha Pede um café Procura meus olhos,        enquanto encaro o teto pensando que nunca ser...