segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

Saudades

Saudade do seu cabelo caindo sobre meu rosto,
Quando a gente fazia amor.
Da sua boca a percorrer todo meu corpo,
Deixando-me em pleno tremor.
Do seu cheiro grudado em minha pele.
Das loucuras feitas às escuras.
E o medo de ter que partir,
Quando tu chamavas por mim.
Quando a saudade apertava, eu apenas te procurava.
Na ilusão de plenitude sentir.
Eu estava para tu e assim nos encontrávamos.
Mas as mentiras eram sua maior força,
E nossa relação caiu numa forca.
E assim apagaram a nossa luz,
E foi quando eu passei a carregar a cruz.
O laço se desfez
E eu não mais te amei.
Cíntia Maria

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Com o esteto no pescoço   saindo do plantão Ela lê meus poemas Não estão na televisão     nem no rádio Não sou grande poeta Nem mesmo ...