terça-feira, 18 de janeiro de 2011

Livre!

À noite com você eu sonhava
Nos seus pensamentos eu não fazia morada
Então eu me perdia na imensidão de mim
Na confusão dos meus cálculos errados
Na dor de te ver passar
No desespero de sentir seu cheiro
No medo de não mais te ver
Na ânsia de te querer
E teu desprezo era como água fria jogada em um vulcão
Teria eu alguma solução?
Poderia eu viver mesmo assim a te amar?
Mas eu queria dar algo mais a mim, algo que não estava em você
A pureza de um coração livre
Então eu deixei você partir de dentro de mim
E o buraco ficou e junto com ele a dor
Pois a pior coisa que pode acontecer a alguém é a indiferença de um ser amado
Então fui embora, voei para onde os gritos não são ouvidos
Onde o medo não tem voz
E não fiquei em baixos dos lençóis
Gritei!
E só eu me ouvia.
A cada palavra ecoada um pedaço de você se afastava
Você ficou em mim, onde o sol não mais brilhará.

Cíntia Maria


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Com o esteto no pescoço   saindo do plantão Ela lê meus poemas Não estão na televisão     nem no rádio Não sou grande poeta Nem mesmo ...